Canal de atendimento atendimento@medaula.com.br
(31) 3245-5781 (31) 9 8882-9154
Rua Grão Pará, 737 Conjunto: 1101 - 11o andar, BH
CNPJ: 07.254.304/0001-24

CONCEITO E CLASSIFICAÇÃO DAS UVEÍTES

7 de outubro, 2020

As uveítes podem ser classificadas de acordo com o local de aparecimento da inflamação.

Dessa forma, temos quatro divisões:
– Anteriores;
– Posteriores;
– Intermediárias;
– Difusas.

As uveítes anteriores acometem o segmento anterior, incluindo irites, ciclites anteriores, iridociclite e ceratouveítes. Nesses casos, a inflamação é demonstrada através dos precipitados ceráticos, das células na câmara anterior e no vítreo anterior. Alterações irianas, como atrofias, podem ser encontradas.

As uveítes posteriores acontecem na retina e/ou coroide, não importando o número de focos e a quantidade de lesões.

As uveítes intermediárias afetam a periferia retiniana (pars plana) e o vítreo, apresentando curso crônico e arrastado. São caracterizadas pela presença de grumos inflamatórios no vítreo inferior, snowballs. Quando a inflamação se estende, formando placas sobre a região da pars plana, ganha o nome de snowbank.

Já as uveítes difusas ou panuveíte acometem todos os seguimentos oculares, causando baixa severa da acuidade visual.


Outra característica das uveítes é a etiologia. Elas podem ser endógenas, quando têm origem no próprio corpo, como translocação de micro-organismos ou autoimunidade. Já as de origem exógena estão relacionadas a traumas e cirurgias.

Outra característica peculiar das uveítes é a patologia. Segregam-se essas enfermidades em granulomatosa e não granulomatosa. Essa divisão é interessante, uma vez que, devido ao exame biomicroscópico com a lâmpada de fenda, há possibilidade de análise dos precipitados ceráticos (PKs), que permitem, muitas vezes, essa diferenciação. Os PKs granulomatosos são formados por células epitelioides, macrófagos, grandes e acinzentados. Eles são indicativos de processos crônicos, insidiosos e recidivantes, sendo o segmento posterior frequentemente acometido. Os exemplos mais frequentes são a sarcoidose, uveíte associada à esclerose múltipla, toxoplasmose, Harada, sífilis, tuberculose, facoanafilaxia e oftalmia simpática. Infelizmente não é possível afirmar a origem granulomatosa ou não granulomatosa através de exames clínicos. A confirmação é sempre anatomopatológica.

Os precipitados ceráticos não granulomatosos apresentam–se finos e brancos, formados por linfócitos, plasmócitos e eosinófilos, e são os mais frequentes. Diferentemente dos PKs granulomatosos, pouco ajudam nos diagnósticos diferenciais, visto que podem ser encontrados em quaisquer inflamações.



Quer ficar por dentro de todos os nossos conteúdos?

Enviar um Whatsapp
1
Quer falar com uma consultora?
Olá, como podemos te ajudar?
Powered by